28 de abr de 2010

quando vc pensa que já viu de tudo....parte 4



mulher múmia???? eu heim..........

11 de abr de 2010

homem x mulher kkkk

kkkkkkk....

humor negro....










concordoooo!!! kkkkkkkkk

post fail!! kkk


eu ri... kkkkkkkkkk

Roooooooobert!! kkkk


credooo!! kkkk

3 de abr de 2010

Se ainda é possivel se emocionar com alguma coisa...

































Diego Frazão Diego era um menino feliz. Cheio de autoestima. Em seu perfil na internet, ele falava de suas vitórias. Aos 4 anos, teve meningite, agravada por uma pneumonia. Sobreviveu. Em Parada de Lucas, cresceu, ao largo do crime. Com a memória embaçada por uma série de problemas de saúde que teve na infância, aprendeu a tocar violino. E tocava bem. Era a estrela da Orquestra de Cordas do AfroReggae. Diego do Violino, como se tornou conhecido, passou pela vida e fez bonito. A despedida, na tarde desta quinta-feira, após passar nove dias internado, foi como uma canção triste, que deixou um sentimento de impotência em todos, diante de tamanha trapaça do destino.
"Não conhecia ninguém como ele. Como era muito negro, chegava a ter um tom azul fosco, todo mundo passou a chamar ele de Azul. "

Jornal O Globo, 01/04/2010

Menino Azul, por Miriam Leitão...

(..) Diego poderia ter se perdido de tantas formas em Parada de Lucas, mas se encontrava. O Rio o conheceu porque ele sabia chorar e tocou violino no dia da morte do seu professor. (...) Saber chorar é arte. Fugir dos riscos que cercam meninos negros nas áreas ainda não pacificadas do Rio é arte. Vencer uma meningite aos quatro, estudar violino no meio de tiroteios é arte. Fazer-se amar é arte. Diego, o artista, fez chorar quem o conhecia e quem não o conhecia, quem falou com ele, e quem nunca o ouviu. (...) Diego carismático, bom, sensível, com seus projetos de ser artista era único para quem o amou. Essa é a teimosia de quem trabalha com programas em áreas pobres do Rio ou de qualquer lugar do Brasil. As estatísticas vão dizer que só um percentual pode ser integrado ao programa, protegido, resgatado, valorizado, mas tem que se lutar por cada um. (...) As estatísticas dizem que ele entraria em breve no grupo de muito risco. Morreu aos 12, de leucemia aguda. Mas jovens de 15 a 24 anos têm um risco muito maior de integrar os números das mortes por causas externas, ou seja, violência. Se forem do sexo masculino, o risco cresce. Se forem negros, cresce ainda mais. Jovens negros têm risco 130% maior que jovens brancos de serem vítimas, mostrou o Mapa da Violência divulgado esta semana pelo Instituto Sangari, com base nos dados do Ministério da Saúde, segundo informou o "Estado de S. Paulo". A ONG revela que esse dado piorou recentemente. Em 2002, a relação era de 1,7 jovem negro vitima da violência para cada jovem branco. Felizmente caiu a violência entre jovens brancos, mas, infelizmente, ela aumentou no caso dos jovens negros, e a relação subiu para 2,6 para 1, em 2007. Outras estatísticas, que têm sido divulgadas por estudiosos, mostram que se os jovens forem do Rio, o risco cresce. Se morarem na periferia do Rio, o risco é ainda maior. É uma escalada estatística o perigo que cerca um jovem negro da periferia do Rio, como era Diego. (...) Mas Diego estava bem encaminhado pela família, pelos muitos amigos, pela música, porque fazia parte da família AfroReggae, porque tinha sonhos, por ter comovido tanto ao mostrar sua dor na morte do Evandro, seu professor. Ele provavelmente superaria os perigos que neste momento cercam tantos outros. Isso torna essa morte ainda mais dolorosa. Ele viraria um adulto como a criança foi. Até onde iria com sua música, suas amizades, sua sensibilidade? Eram bons os prognósticos. (...) O rosto bonito e triste de Diego, com aquela lágrima enorme e aquele violino do lado, ficou marcado na memória. Esse é outro mistério de Diego: sua instantânea capacidade de tocar as pessoas e de se fazer entendido. Disse com seu rosto que a morte de Evandro doeu, convocou o sentimento de quem estivesse indiferente. (...) Diego ficou na memória como um lamento forte, um alerta, uma convocação geral, uma parada no tempo em que vamos perdendo aos poucos a sensibilidade. Porque ele tinha o lindo apelido de Azul, porque ele tocava um instrumento, porque ele não tinha nada que morrer agora com tanta coisa a viver ainda, porque seu choro em outubro foi tão sentido que só de ver a foto muita gente chorou com ele, porque ele era pequeno e grande esse espaço hoje é dele. Todo dele: o menino Azul.

Homenagem ao maior poeta brasileiro...

Reneto Russo estaria compleando 50 anos se tivesse vivo, enfelizmente perdemos esse grande poeta, mas suas letras e canções permacem cada vez mais vivas em todas as gerações. Chico Pinheiro na Globonews fez uma breve homenagem a Rentato, com a perticipação de Dinho Ouro Preto e Dado Villa-Lobos....

http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1241274-7823-SARAU+FAZ+UM+TRIBUTO+A+RENATO+RUSSO,00.html

E uma das minhas musicas preferidas...